Você sabia que a atenção média do ser humano é de apenas 8 segundos? De acordo com uma pesquisa realizada pela Microsoft, essa média é menor que a de um peixe dourado que mantém sua concentração por cerca de 9 segundos!

Na era da tecnologia, em 8 segundos conseguimos nos comunicar tranquilamente por meio de alguns caracteres ou emojis. Mas será que 8 segundos são suficientes para aprender algo? É neste cenário que surge o microlearning.

 

O QUE É?
O microlearning lida com microformas de aprendizagem, ou seja, unidades de conhecimento relativamente pequenas, que em curto prazo, podem trazer ganhos ao nosso processo de aprendizagem respeitando nossos critérios de atenção. Extremamente útil para substituir o cansaço após longas horas de estudo, ou a carga cognitiva de quando estamos aprendendo algo.

Comumente relacionado ao e-learning (aprendizagem por meios eletrônicos), o microlearning torna-se um conhecimento que está – literalmente – na palma de nossas mãos, de forma rápida, prática e objetiva, sobre os mais variados assuntos. Além disso, o compartilhamento de conteúdo torna-se mais barato e, em muitos casos, até mesmo gratuito.

Segundo pesquisa da Google, em 2017, o brasileiro assiste, em média, a 38 horas de conteúdo audiovisual por semana, sendo que 72% da população do país consome este conteúdo por meio de smartphones. As pessoas buscam conteúdos em vídeo do seu interesse e isso mostra que a relevância é um fator importante na hora do público decidir o que assistir. Com isso, diversas empresas apostam atualmente no microlearning, tanto para compartilhar quanto para adquirir conhecimento.

MICROLEARNING TAMBÉM PODE SER UTILIZADO EM LONGO PRAZO EM QUE O CONHECIMENTO PRECISA SER MAIS PROFUNDO

Matheus Campos

SABER UTILIZAR É ESSENCIAL!
Ao contrário do que muitos imaginam, a aquisição de todo e qualquer conhecimento de forma desorganizada, pode trazer dificuldade ao processo de aprendizagem. Dessa forma, a agilidade do microlearning perde totalmente o sentido se essas microunidades não tiverem uma conexão. Para criar esses vínculos e bases, você pode utilizar uma estratégia de curto e longo prazo.

A urgência para aprender algo, é um fator direcionador muito importante. Para trocar um chuveiro pela primeira vez, por exemplo, você não procura um curso de elétrica ou encanamento, mas sim, um rápido tutorial que em poucos minutos ensina, de forma prática, como resolver o seu problema. O mesmo pode ser feito em outros casos em que o aprendizado deve ser rápido e prático.

Mas o microlearning também pode ser utilizado em longo prazo em que o conhecimento precisa ser mais profundo. Um conjunto de vários vídeos de poucos minutos fazem com que nosso cérebro crie uma trilha de aprendizagem em que cada assunto complementa o outro de forma mais tranquila e assertiva.

 

SUBSTITUI OUTRAS FORMAS DE APRENDIZAGEM?
Seja qual for o seu objetivo, o microlearning pode ajudá-lo, mas lembre-se que o treinamento presencial também é um fator essencial para o processo de aprendizagem. Por isso, participe do Treinacorr, e continue trilhando seu caminho de desenvolvimento!