Por que o corretor de seguros é um AGENTE FUNDAMENTAL na indústria da proteção?

Alinhado com o propósito de “ajudar o brasileiro a se proteger mais e melhor”, o papel do corretor de seguros torna-se essencial para despertar no segurado, a importância da proteção futura, pois é um “gatilho mental” (reptiliano) pensar muito fortemente no instinto de sobrevivência imediato. Ou seja, focar no benefício/retorno do agora e não do futuro.

Para darmos sequência, embasamos esse artigo à luz da Teoria do Cérebro Trino, elaborada pelo neurocientista Paul MacLean (1970) e apresentada em seu livro The Triune Brain in Evolution.

Segundo MacLean, nosso cérebro é dividido em três estruturas distintas: reptiliano, límbico e córtex, sendo cada parte com sua função específica e complementar. O reptiliano é a estrutura responsável pela manutenção da vida, atuando na respiração, digestão, batimentos cardíacos etc. Por ser responsável pelas funções automáticas, é o reptiliano que nos faz agir muitas vezes sem pensar e por ser considerado ‘egoísta’, é extremamente imediatista, ou seja, pensa e age no agora. Já o límbico é a estrutura cerebral que recebe e registra as emoções. Como ele é dicotômico, as informações nele cristalizadas são exclusivamente positivas ou negativas (sem mérito de abstração). Geralmente, o límbico trabalha em ‘parceria’ com o reptiliano, ou seja, com base nos registros da nossa mente (inseridos das formas mais variadas e subliminares que possam imaginar), ambos agem em conjunto e assim tomamos decisões inconscientes e automáticas, na grande maioria das vezes. O famoso contar até 10 para não cometermos erros, é o tempo suficiente para que nosso pensamento possa acessar a terceira estrutura: o córtex. Essa estrutura é que nos torna diferentes dos animais, pois assim como eles, existimos há muitos anos, mas somente a raça humana possui a capacidade de evoluir. E essa evolução acontece porque o córtex tem o poder da abstração, da criação, da reinvenção e, principalmente, de termos vontade consciente.

O CORRETOR É FUNDAMENTAL PARA ENTENDER, MAPEAR E ENCONTRAR A PROTEÇÃO PARA O SEGURADO
QUE FICARÁ CONSCIENTEMENTE PROTEGIDO

ANDRÉ DUARTE

Nessa altura, você deve estar perguntando: “Ok, e onde entra o corretor como agente fundamental na indústria da proteção?” Pois bem. A reflexão aqui é exatamente no comportamento automático do ser humano que, naturalmente buscará, em seu instinto de sobrevivência, o que a neurociência chamou de ‘caminho seguro’. O reptiliano é desconfiado. Tudo que é desconhecido é perigoso. Sabe aquelas crianças que têm medo de escuro, mas quando crescem descobrem (ficam conscientes) de que não há nada a temer? É natural sentirmos medo do desconhecido. Somente após a informação ser conscientizada pelo córtex e registrada no límbico é que o caminho fica seguro.

 

Tornar o ‘caminho seguro’ é o que algumas marcas fazem conosco. Ficam nos ‘contaminando’ com inúmeras propagandas para que na hora de escolhermos, pagamos até mais caro, mas optamos quase sempre pela marca mais conhecida. Diante disso, entra a figura do corretor de seguros como agente de proteção dos genuínos interesses do segurado. Entendendo todos ‘os perigos’ que podem estar no caminho dele, o corretor estrutura uma oferta precisa com planos de proteção familiar completos (não somente do automóvel, que é o de maior divulgação de exposição ao risco), deixando para o próprio segurado a decisão de contratar, ou não, os planos propostos. Contudo, a proteção tem que ser assertiva e construída de forma lógica com o segurado para que a decisão seja consciente e não por impulso. Aqui, duas coisas podem acontecer: ou ele escolhe a proteção de forma consciente (caminho seguro) ou não contrata (e fica arrependido) porque não entendeu (conscientizou) que precisava das proteções.

Como essa vontade independe da ação natural do ser humano, pois ninguém acorda disposto a contratar proteções securitárias (mesmo com a facilidade dos aplicativos), o corretor, então, torna-se peça fundamental na indústria da proteção para entender, mapear e encontrar o pacote completo de proteção para o segurado que ficará conscientemente protegido (no presente e no futuro) para que o propósito de ajudar o brasileiro a se proteger mais e melhor seja realmente alcançado na sua essência.

 

Fonte: ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA CORRETORA DO FUTURO

28ª edição | ano 5 | 2019 | abr/mai/jun