Todas as vezes que chega o e-mail da Rede Lojacorr avisando sobre a data para a entrega do artigo, parece que sinto um apagão. Sinto que não tenho nada a dizer, parece que tudo o que eu escrever aqui, já foi dito, então relaxo e deixo a vida se encarregar de me trazer inspiração. Afinal de contas, o nome desta coluna é inspiração, não é mesmo?

Hoje, ao sentar para escrever, ainda não tinha me vindo nenhum tema, então resolvi escrever o que está de fato passando na minha mente, com o coração aberto e uma imensa vontade de contribuir com você que está lendo este texto agora. Sinto fortemente um impulso muito grande de fazer parte deste todo, desta jornada chamada vida, sinto vontade de entregar meus talentos, de retribuir tudo o que a vida tem me presenteado.
Sim, porque ao me colocar a serviço das pessoas estou apenas retribuindo a saúde perfeita, as experiências que tenho adquirido, a família linda que constituí, aos estudos que tenho a alegria de me entregar. Então, nada mais natural do que entregar ao mundo minhas habilidades de escrita, de fala, de extroversão para que, de alguma forma, toquem o coração de quem lê ou escuta.

É MUITO LIBERTADOR, SABER DE QUE FORMA NOS SENTIMOS MAIS PREENCHIDOS,
MAIS ÚTEIS NA VIDA. PERMITA-SE OLHAR PARA DENTRO E
TOMAR CONSCIÊNCIA DE SEUS TALENTOS!

Marlise Ferreira

A pergunta que este mês tem tomado conta de mim é: Qual é a sua arte? O que você faz de forma singular, só sua, que faz a diferença na vida das pessoas e preenche seu coração? Você pode ter habilidades para cozinhar, organizar as coisas, ter o dom de falar algo significativo na hora que as pessoas mais precisam, pode ainda saber pintar, desenhar, escrever, dançar, pode ser um ótimo conciliador, pode ter o talento de conectar pessoas, pode ser um observador atento, aquele que percebe coisas que os outros ainda nem se deram conta… a arte é a sua forma única de expressão.

Quando conseguimos perceber o que fazemos de melhor e nos apropriamos destas habilidades, parece que elas criam um sentido para nossas vidas e conseguimos nos perceber mais potentes e competentes naquilo que fazemos bem. Repito a pergunta: Qual é a sua arte? Permita-se refletir sobre isso. É muito libertador, saber de que forma nos sentimos mais preenchidos, mais úteis na vida. Permita-se olhar para dentro e tomar consciência de seus talentos!

Somos todos artistas, criativos, porém é preciso nos permitir viver assim. Sei que a vida se encarregou de nos tirar estas potências, ou não darmos tanta importância a elas, mas chegou a hora de a gente virar este jogo e através da autopercepção, observação e autoconhecimento, vivermos mais consciente e livres. Desejo a você, arte!

Consegui escrever. O apagão passou! Estou feliz. Foi inspirador para você? Espero que sim.
Abraços e até a próxima!

 

Fonte: ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA CORRETORA DO FUTURO

28ª edição | ano 5 | 2019 | abr/mai/jun