Rede Lojacorr ressalta o empoderamento das equipes

Confiabilidade no time e gestão de liderança estão entre os pilares do enfrentamento organizacional

 

Nos últimos dias, empresas e profissionais de todas as áreas do País tiveram que se adaptar rapidamente ao avanço do coronavírus no Brasil e transformar sua maneira de trabalhar. Autônomos e o varejo, entre delivery e métodos via web, ainda buscam alternativas para o impacto econômico que poderão sofrer frente à uma crise que ainda não tem previsões e prazos. Outros, já conseguem fazer suas entregas via home office. São modelos que exigem adaptação para seguir adiante.

 

De acordo com o CEO da Rede Lojacorr, Diogo Arndt Silva, o importante nesse momento é preservar os colaboradores e a comunidade. “Os verdadeiros impactos econômicos serão mensurados num segundo momento”, explica o líder.

 

Além de respeitar as pessoas, é necessário racionalizar o momento para manter o equilíbrio a serenidade na tomada de decisões. “Entre os primeiros pilares da adaptação comportamental está em reconhecer nossa condição humana e aproximar a vida pessoal e profissional para organizar novamente a rotina”, recomenda Diogo Arndt Silva.

 

Liderar é uma tarefa desafiadora, já numa situação de turbulência é necessário sustentar a cultura da prontidão e da adaptação nas organizações. Para o CEO, construir essa jornada de cultura organizacional dentro das empresas é um passo importante para enfrentar esses momentos, em que o plano de negócios e as políticas pré-determinadas precisam ser revistas rapidamente, além de contar com o engajamento do time sem perder o foco nas entregas.

 

“Há algum tempo, a gente vem trabalhando na empresa o empoderamento das equipes, uma cultura de flexibilidade horizontal e gestão de liderança por contexto. Assim, os colaboradores entendem melhor as diretrizes e participam ativamente das tomadas de decisão, com autonomia”, detalha.

 

O gestor explica que, por conta do coronavírus, em uma semana, todas as ações da empresa agendadas, como treinamentos, reuniões e viagens, foram recolhidas. Para ele, isso é reflexo do alinhamento do time ao propósito. “Temos a tecnologia a nosso favor que nos permite interagir e trocar informações mesmo à distância. Com base nisso, continuamos mantendo a operação da empresa funcionando, o que se mostra fundamental. Por isso, o importante na minha visão foi a rapidez com que tomamos as decisões. Percebemos e reconhecemos a gravidade da situação, agindo imediatamente. Entretanto, trata-se de uma jornada em que não existe uma solução pronta e única, e a cultura da confiança organizacional tem que ser muito importante”, ressalta.

 

A Rede Lojacorr montou também um comitê multidisciplinar para ter uma visão mais ampla e tomar decisões assertivas e rápidas em relação às diretrizes. “A primeira atitude que tomamos foi colocar em home office as pessoas do grupo de risco, segundo a organização mundial da saúde, ou com imunidade baixa, priorizando esse critério. A segunda leva de home office focou nos colaboradores que dependiam de transporte público e tinham filhos em idade escolar, e na terceira fase todos os demais colaboradores. Aqueles que precisam ir no escritório, terão acesso, mas mantendo as recomendações de distância e cuidados de saúde”, explica.

 

Mais uma dica do gestor para os empreendedores é buscar indicadores para se antecipar, diante de um cenário em que não se sabe ao certo tempo de duração e gravidade. “Esse é um momento de desaceleração, interação e sensibilidade com o mercado, para agir. Nós estamos trabalhando hoje na Rede Lojacorr com um impacto previsto até agosto desse ano, mas com monitoramento periódico na busca de prognósticos”, adianta o gestor, acrescentando que essa é a sugestão do momento. Já numa segunda etapa será possível encontrar novos espaços, oportunidades e ser mais eficiente na crise.

 

Esses e outros temas relacionados a gestão durante esse período foram discutidos numa live no Youtube, realizada no dia 18 desse mês, com a participação de Diogo Arndt Silva e de Thays Arnt, consultora da Signature Brasil, promovida por Daniel Spinelli, fundador da PS Desenvolvimento. Com o tema “Os impactos do coronavírus: a nossa missão nesse momento”, entre as principais dicas propostas no bate-papo esteve o compartilhamento de sugestões entre líderes, empresários e empreendedores.

 

O objetivo é criar alternativas de trabalho, com boas práticas, a fim de montar uma rede de apoio e colaboração, independe da área de atuação, que tem o principal intuito de servir de canal de coparticipação. Além disso, partilhar soluções de enfrentamento e gerenciamento pode servir de solução para a saúde organizacional de muitas empresas. A live, na íntegra, pode ser acompanhada por meio do link 

 

Fonte: JRS

 

Leave a Reply