EMPATIA: Você tem o hábito de se colocar no lugar do outro, antes de julgá-lo?

Vivemos tempos difíceis, quando a polarização, o ódio e a certeza que do jeito que você pensa está sempre correto imperam dentro da sociedade. Infelizmente, nosso país está doente. O fato de eu não gostar de um lado não significa que goste do outro e nem muito menos que quem pensa diferente de mim seja meu inimigo, pois habitamos um mundo de diversidades e as diferenças devem e precisam ser respeitadas.

A forma correta de entendermos as diferenças, é exercer a empatia. Mas afinal, o que é EMPATIA? Por conceito, significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada. Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.

Então podemos afirmar que a capacidade de se colocar no lugar do outro, que se desenvolve através da empatia, ajuda a compreender melhor o comportamento alheio em determinadas circunstâncias e a forma como outra pessoa toma as decisões.

Será que você é uma pessoa empática? Ser empático é se identificar com o outro ou com a situação vivida por ele. É saber ouvir as pessoas e se esforçar para compreender os seus problemas, suas dificuldades e as suas emoções.

Para ser empático é preciso conseguir ultrapassar as barreiras do egoísmo, do preconceito ou do medo do que é desconhecido ou diferente. Para que uma pessoa consiga exercer a empatia é preciso retirar a atenção de seus próprios problemas e manter seu foco de atenção na outra pessoa.

Porém, como desenvolver a empatia? Fazer isso não será muito fácil, já que nós tendemos a dizer muitas coisas sem nem mesmo pensar. Na verdade, nem é preciso falar nada para revelarmos as nossas opiniões sobre uma pessoa. Em um só olhar já mostramos para ela a nossa reprovação e a nossa crítica.

Ainda assim, vale a pena insistir em ter uma postura mais compreensiva com relação às outras pessoas. Isso porque a empatia te ajuda a melhorar a qualidade dos seus relacionamentos. Você perceberá que os seus contatos se sentirão mais livres para conversar com você. Isso porque saberão que estará mais preocupado em ouvi-las do que em criticá-las.

SER EMPÁTICO É VER O MUNDO COM OS OLHOS DO OUTRO E NÃO VER O NOSSO MUNDO REFLETIDO NOS OLHOS DELE

CARL ROGERS

Pensando em te ajudar, darei sete dicas de como desenvolver a empatia. São conselhos simples, mas que, quando são postos em prática, trazem grandes resultados para sua vida:

1ª) Se atenha aos fatos:

Para que você tenha mais empatia, recomendo que pare de ouvir boatos e de supor coisas;

2ª) Pense mais de uma vez:

Antes de você falar algo ou de digitar algum comentário, será que não é melhor pensar se realmente vale a pena expressar essa opinião?;

3ª) Aceite as suas falhas:

Para desenvolvermos a empatia, é importante ser humilde. Quando sabemos que todas as pessoas erram, inclusive nós mesmos, tendemos a ser menos críticos;

4ª) Reconheça as qualidades do outro:

É importante termos em mente que as pessoas têm defeitos, mas também têm qualidades;

5ª) Reflita sobre as suas motivações:

Por que não pensar com mais frequência na razão de você querer criticar outra pessoa? Ponderar sobre essas questões revela maturidade;

6ª) Considere ajudar as outras pessoas:

Criar o hábito de pensar na necessidade de outras pessoas nos obriga a tirar o foco da nossa atenção de nós mesmos;

7ª) Esteja disposto a mudar de opinião:

Entenda que, para se colocar no lugar do outro, muitas vezes será necessário abrir mão das suas convicções.

Para finalizar, concluo que: Quando alguém diz “houve uma empatia imediata entre nós”, isso significa que houve um grande envolvimento, uma identificação instantânea. O contato com a outra pessoa gerou prazer, alegria e satisfação. Nesse contexto, a empatia pode ser considerada o oposto de antipatia, por isso, a importância de se colocar no lugar do outro, porque nós sempre iremos desejar que as outras pessoas façam o mesmo por nós. Pense nisso!

 

Fonte: ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA CORRETORA DO FUTURO

31ª edição | ano 6 | 2020 | jan/fev/mar