ENQUANTO UNS CHORAM A CRISE, OUTROS VENDEM LENÇOS

NIZAN GUANAES

Trago um tema bastante contemporâneo ao momento em que vivemos. Tenho utilizado sistematicamente com nossas equipes a frase do publicitário Nizan Guanaes para enfrentar esses tempos difíceis: “Enquanto uns choram a crise, outros vendem lenços”.

Mas afinal, qual é o significado de crise? Em chinês, a palavra CRISE é representada por dois ideogramas: perigo e oportunidade. Para enfrentar uma crise é preciso entender o ambiente de negócios e ter ações planejadas para reagir. Mas como fazer isso na prática?

Existe uma falsa crença de que se um modelo de negócio funcionou tão bem até aquele momento ele deve seguir sem alterações. São exatamente esses momentos de crise que ajudam a questionar todo o trabalho executado (os quais já dominamos tão bem) e o que ainda precisa ser feito. Se observarmos com um pouco de atenção, veremos que muitas empresas consideradas sólidas não mudaram em tempos de crise e perderam mercado. Mudar é mais do que necessário para garantir a sobrevivência, mas a mudança deve ser feita com processos bem definidos.

Primeiro deve ser reavaliado o plano de negócios. Verifique em que situação a empresa está hoje de fato e para onde o negócio pode e quer ir. Desenhe objetivos para esse novo cenário. Crie metas de curto e médio prazos. O grande ponto é aproveitar-se das oportunidades e tirar delas o melhor.

Em resumo, a saída não é apenas uma redução de custos operacionais e financeiros, mas pensar diferente e fazer mais e de forma melhor com os recursos que se tem. Para ter sucesso na crise e passar por ela de forma saudável, precisamos ter algumas competências específicas:

Capacidade Analítica:

Temos que ser capazes de entender como a crise nos afeta especificamente. Ter atenção e capacidade analítica para entender quando ela vai começar, quanto tempo ela vai durar, entender se está melhorando ou piorando etc. Quanto mais formos capazes de antecipar o que vai acontecer, mais cedo poderemos tomar as decisões que nos permitirão sair da crise bem-sucedidos.

Imunidade:

Temos que ser capazes de ficar imunes ao mau humor que toma conta do ambiente. Há uma certa fala turbulenta e assustadora que alimenta e é alimentada pela mídia (é a oportunidade dela na crise), mas que, no fundo, pode não fazer nenhum sentido para o nosso setor ou o nosso negócio em especial. Quanto mais formos capazes de ficar frios e tranquilos, melhores serão nossas análises e nossas decisões. A crise bate mais forte nos covardes!

Agilidade:

Temos que ser capazes de tomar boas decisões e colocá-las em movimento rápido. A crise tem um tempo. O seu bolso também. Agir no tempo certo é essencial. Agir com inteligência também é essencial. Só tem uma coisa que não funciona de jeito nenhum na crise: continuar fazendo o que você vinha fazendo antes da crise.
Contudo, mostrar-se capaz de superar as adversidades e as incertezas do mercado faz de qualquer gestor um verdadeiro líder para sua equipe. Por isso, estimule seus colaboradores a buscarem alternativas de executar processos, seja na linha produtiva ou seja em vendas. Estimule-os a enfrentar este cenário e reconheça as melhores opiniões. Assim, sua empresa vai se manter competitiva e se sobressair no mercado.

Uma coisa é certa:

Não há como tomar decisões acertadas sem contar com informações precisas e confiáveis sobre o seu negócio. É importante analisar cada setor da empresa, a fim de verificar se o negócio é rentável, se há algo a melhorar, se há como economizar em determinados processos e como a empresa está reagindo às exigências do mercado. Em suma: você precisa conhecer os seus números.
Mesmo que na prática não seja preciso tomar decisões drásticas, muitas empresas agem imediatamente cortando investimentos, reduzindo a produção e cortando postos de trabalho. Acontece que tudo isto também tem um custo.

Portanto, antes de tomar qualquer atitude, vale a pena analisar com cuidado cada ação a ser implantada. Fique atento aos dados financeiros, verifique a posição da carteira de negócios, evite o excesso de horas extras e cuide bem da contabilidade, não misturando as contas pessoais com as da empresa.
Para finalizar, gostaria de citar Winston Churchill, grande estrategista e político britânico: “Um pessimista vê dificuldade em toda oportunidade; um otimista vê oportunidade em toda dificuldade”.

 

Fonte: ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA CORRETORA DO FUTURO

32ª edição | ano 6 | 2020 | abr/mai/jun