FLEXIBILIDADE E ADAPTABILIDADE: a regra de ouro da superação

No que diz respeito à vida profissional e ao rumo das empresas (de qualquer tamanho), a frase atribuída a Charles Darwin se encaixa perfeitamente no cenário que estamos vivendo atualmente, afinal, “não é o mais forte que está sobrevivendo, nem o mais inteligente, mas sim aquele que melhor está conseguindo se adaptar a essas mudanças”.

O ano de 2020 já está na história como o da reinvenção, da adaptação. Já falamos antes sobre quantas mudanças ocorreram no transcorrer desse ano e, mais uma vez, peço licença para focarmos na análise apenas da adaptabilidade, com todo o respeito que esse delicado assunto requer, quando se fala de tantas vidas perdidas precocemente por uma pandemia dessa magnitude. A intenção aqui é fazermos uma reflexão sobre o poder da adaptação das pessoas para obter resultados diferentes, mesmo diante de uma crise.

De repente um vírus descoberto no continente asiático, que chama a atenção do mundo inteiro, não demora para desembarcar também no Brasil. Logo, com o pouco conhecimento mundial sobre como se proteger, o comércio precisa fechar, pessoas passam a ficar confinadas em suas casas, muitos não podem ver seus amigos e familiares pessoalmente, hospitais de campanha são estruturados e por aí vai. Diante desse novo desconhecido, o susto, e ninguém sabe direito como lidar com toda essa novidade. Cada país adota um critério diferente de proteção e prevenção e o mundo vira de cabeça para baixo. Chega então o momento de decidir: é hora de se apavorar ou de inovar?

É PRECISO AGIR RÁPIDO E ENTENDER ESSA ADAPTAÇÃO, POIS O INSTINTO DE SOBREVIVÊNCIA ÀS VEZES PARALISA E ACABA SENDO UMA BARREIRA PARA A FLEXIBILIDADE

André Ogliari Duarte
Sócio fundador e diretor Financeiro (CFO) da Rede Lojacorr

Viagens são substituídas por reuniões online e as casas se tornam escritórios de trabalho, resultando num aumento significativo de produtividade e qualidade de vida, sem falar na redução de custos e despesas. Aulas passam a ser realizadas online, restaurantes fechados para clientes investem em sistemas de entrega, atendendo de outra forma as necessidades de seus clientes. Enquanto uns prosperam outros sofrem. Mas afinal, como é possível se superar numa crise? A resposta padrão é: depende.

Depende, antes de tudo, se determinado trabalho pode se adaptar nesse ciclo, porque muitas vezes, infelizmente, é necessário aguardar a próxima ‘oportunidade’ ou mudar radicalmente a forma como se realiza esse trabalho. Por outro lado, depende do quanto cada um está disposto a correr riscos, a buscar novas formas de empreender, de entender mais uma vez que o meio está mudando, mas que as pontas sempre se manterão, ou seja, sempre haverá uma necessidade a ser atendida, só que agora, de uma maneira diferente.

Vide case do Uber: o meio (a forma) mudou, mas a necessidade de locomoção continua. É preciso agir rápido e entender essa adaptação, pois o instinto de sobrevivência às vezes paralisa e acaba sendo uma barreira para a flexibilidade. Uma forma de escapar dessas armadilhas, como já falamos em artigos anteriores, é treinar o cérebro, pois a automaticidade deste pode conduzir as emoções e travar completamente a pessoa, no que tange à inovação. Às vezes, uma crise não passa de uma oportunidade, porém, é preciso ter a cautela e a prudência necessárias para entender essa dinâmica e aproveitar a chance.

O susto e o pânico paralisam as ações. É preciso encontrar o caminho e nem sempre será fácil encontrá-lo. Errar e acertar fazem parte do jogo. O mais importante é que se for para errar que seja de forma rápida e mais barata possível. Se errar mais do que acertar, não há necessidade de martírio, desde que a soma dos erros não seja suficiente para superar aquele grande acerto que te mostrou o ‘caminho das pedras’.

Para ajudar, cabe também reforçar o que já falamos em outros artigos. Para estar preparado, é importante estar com sua reserva de emergência bem estruturada. Um caixa para esses momentos serve de alento e ajuda, pois crises e bonanças fazem parte dos ciclos que sempre acompanharam a história. Quem se demonstrou flexível e se adaptou rápido, entendeu o caminho e prosperou na crise. Lembra dos ciclos? Importante reconhecê-los e entender seu funcionamento para se adaptar o mais rápido possível e seguir em frente. Sempre!

 

Fonte: ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA CORRETORA DO FUTURO

35ª edição | ano 7 | 2021 | jan/fev/mar